domingo, 20 de agosto de 2017

Os Gregorianos já foram um hit


Não sei se é a Sara Sampaio mas apeteceu-me partilhar


sábado, 19 de agosto de 2017

Novo inquilino escolhido


Sabem aquela pessoa de que queres te despedir mas cada vez que fazes isso ela volta atrás e inicia um novo tema de conversa? Só após passar para aí cinco vezes mais tempo do que aquele que podias imaginar, é que essa despedida que já vai para aí na décima, é eficaz e a pessoa vai?

Pois vai ser esse indivíduo o novo inquilino da casa.


Sinto um pouco de tristeza sobre quem recaiu a preferência da senhoria. Queria tanto uma pessoa que gostasse de meter mãos à obra nas limpezas! Existiu um candidato que me pareceu a pessoa certa. Mas ela é quem escolhe - a pesar de não lhe interessar os conhecer pessoalmente. Escolheu com base na profissão, é previsível. Aquele que lhe parecer a aposta mais segura é aquele que ela geralmente escolhe. 

Foi por isso que me rejeitou, quando cá vim pela primeira vez. Preferiu o candidato «seguro», - o rapaz com referências e com um trabalho fixo numa empresa de renome. Só que este escolhido não cumpriu o prometido e deixou de dar notícias. E foi assim que aqui a portuguesinha - sem eira-nem-beira e com a sua valise de carton conquistou o seu cantinho para morar.


Eu fui a melhor pessoa que ela podia ter tido a sorte de ter como inquilina. Há boa fama de uma Linda de Sousa, excepção feita para as cantorias, a senhoria já percebeu que eu cuido bem da casa e gosto de manter os espaços arrumados e melhorados. 


E esse é o segundo aspecto pelo qual a minha tristeza é ampliada.
Não me pareceu que este novo candidato vá satisfazer nesse requisito. E com os outros dois que me restam a falhar neste campo, sinto que já perdi a batalha. Tenho um motivo forte para essa suspeita. Além dele não ter mostrado grande interesse no tema limpezas, a certa altura da conversa incomodou-me o cheiro que vinha das suas roupas. Um odor a falta de cuidado, de roupa suja e de corpo pouco lavado.

Posso estar a ser precipitada e decerto que se trata de uma avaliação com base na primeira impressão. Mas se estas valem por alguma coisa, foi esta com que fiquei.

Agora só posso desejar que o indivíduo tenha outros atributos que tenham ficado mais ocultos durante este primeiro contacto que levou quase duas horas para terminar. Pois já com o pé na rua, o rapaz ainda voltava atrás para falar mais um pouco. E parte das coisas que diz, eu não entendo. O seu inglês não é perfeito e das outras três línguas que disse falar - alemão, francês e português, não conseguiu juntar uma frase.

Portuguesinha, ruiva e linda (lol)
a antecipar o desespero dos tempos que estão para vir



sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Curiosidades das visualizações do youtube



Há coisa de dois anos deixei de ter listados a maioria dos videos que havia disponibilizado no youtube porque prezo a minha privacidade e segurança. 

Ao decidir deixar comentários noutros vídeos (tudo o que vejo praticamente comento) sabia que ia ficar exposta a ataques e assim decidi me preservar um pouco ao tornar menos visível os vídeos publicados no passado. 

É muito comum outros comentadores irem ao teu perfil para extrair informação pessoal com a qual te possam atacar e amedrontar. É cyber bulling.  

Portanto privatizei a maioria dos vídeos. Em particular os que deixavam adivinhar a minha nacionalidade. Acho que no youtube todos devemos ser cidadãos do mundo e não de um país em particular. A menos que se deseje revelar, penso que é informação privada. 

Não os privatizei totalmente. Permiti a permanência de uma série americana legendada em português, o que de certa forma denuncia a minha nacionalidade. Mas não achei grave. Podia ter legendas portuguesas mas não iam todos adivinhar de onde... 

Além dessa, deixei uma cena de um filme clássico, a abertura de uma antiga série americana que nunca mais tinha passado na nossa TV e que eu preservei em Beta, outra abertura de uma série de Kung-Fu também encontrada numa cassete Beta e um muito popular excerto de um desenho animado brasileiro

Até hoje pensei que o desenho animado brasileiro de apenas uns minutos era o meu "recordista" de visualizações - porque o povo do brasil é biliões de vezes em maior quantidade que o de portugal e a quantidade de comentários recebidos ao longo dos anos sempre foi uma constante.




Por casualidade hoje acedi à conta e vi os vídeos publicados. Fquei surpresa ao ler 50.000 visualizações na cena do filme clássico. Achei muito! 

Para um vídeo com 9 anos talvez não seja mas... ainda assim, fiquei surpresa. Logo a seguir vejo outro de 81 mil. Oh jesus! Então fiquei mais surpresa. Era o da abertura da série antiga americana. A de Kung Fu tem 54 mil e afinal, a de desenhos animados brasileiros apenas 3,1 mil  (apenas... lol). 


Para meu espanto, os olhos recaem sobre a quantidade de visualizações de uma série de desenhos animados niponicos dobrados em português, vídeo esse que tornei privado há dois anos e que foi publicado um ano depois dos restantes. Esse vídeo tornei privado pois haviam muitos que me contactavam procurando saber se dispunha da série na totalidade e querendo por tudo comprar o que tinha... Pois, pensando nisso talvez não fosse de me surpreender. Mas fiquei surpreendida há mesma: 107 mil visualizações!!!

E dizem que a nostalgia é coisa estúpida, ahahah

Venceu o vídeo português de desenhos animados. Liderando com uma considerável distância.

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Supermercado onde criança NÃO ENTRA


Vocês achariam bem se alguém estipulasse que supermercados/hipermercados não são lugares para se levarem crianças?

Olhem, eu acabei de constatar que a ideia agrada-me e faz sentido.
E por isso decidi vir aqui fazer o post.

As minhas razões prendem-se com o que vejo: as crianças saltam por todo o lado, não param quietas. Desde que cheguei ao UK irritam-me mais os adultos nos supermercados do que as crianças. Mas aqui todos transportam crianças e bebés de colo por toda a parte. Bloqueando um corredor inteiro sem estranharem.

O UK só tem bad people
O Reino Unido não aprendeu esta regra.
Os supermercados só têm gente que não a conhece!


desisti de frequentar o supermercado que tem os produtos que mais gosto por causa de não conseguir circular direto. As pessoas param no meio dos corredores para falar, mantendo uma certa distância umas das outras, as crianças brincam com os carros, fazem cambalhotas, dançam, saltam soltas à frente do teu carrinho...

Os que usam as cadeiras electrónicas pensam mesmo
que todos têm de se desviar do seu caminho.

Hoje virei para um corredor e como sempre, espreito antes para ver se posso ir à vontade na direcção que tomei. Estavam duas crianças, uma do lado esquerdo outra ao centro a saltitar e uma mulher que presumi ser a mãe, à direita do corredor, parada a olhar produtos e estava mais perto de mim que as crianças. Então decidi avançar com o carrinho de compras pelo espaço entre a pessoa que estava parada, pois as crianças estavam a saltitar. E nesse instante tão rápido em que avanço com o carrinho, a mulher gira no seu eixo e embate no carrinho. Peço-lhe muita desculpa, senti que se magoou com a roda do carro. Quando já a tinha passado ela diz-me que eu devia ter mais cuidado porque estava a olhar para a esquerda. Ao que lhe respondi que ela é que virou subitamente, lamentei que se tivesse magoado mas tinha visto as crianças e não tinha tido alternativa de passagem.


E é assim: aqui as pessoas não têm a mesma noção de educação pedonal que nós temos em Portugal. Mesmo nos passeios, são capazes de mudar de direcção e vir contra ti ao invés de se desviarem para os cantos para permitir a boa circulação dos transeuntes. Nos supermercados onde estão é onde param. Não encostam o carrinho a um canto como nós fazemos. E são capazes de vir três a avançar na tua direcção, uns ao lado dos outros ocupando todo o corredor, sem um ao menos se meter em fila indiana para que o que vem na direcção oposta possa passar.



É um stress e as pessoas ainda mandam bocas se quiseres andar com o teu carrinho a um ritmo normal. Uma mulher disse ao amigo que haviam "corridas" só porque a ultrapassei após estar uns bons segundos a andar passo-a-passo atrás dela. Não creio que seja «correr» tentar andar a um ritmo normal!



E pronto.
Se calhar sou eu que sou uma azelha...
Mas em Portugal isto acontecia-me menos vezes. Vejo pessoas a desviarem-se quando esticas um braço para alcançar um produto. Vejo empregados a sair do meio do caminho... Aqui bem que podes esperar que se desviem. Eles metem-se mais no caminho e deixam os carrinhos com o stock no meio dos corredores. Um horror.

Há saída da caixa, puxava eu o meu carrinho com compras em linha reta pelo percurso desempedido, quando um casal com o seu carrinho parado começa a empurrá-lo horizontalmente para o centro do corredor. Aí tive de dizer: "Cuidado à esquerda!". Porque eles não se apercebem que ali é uma zona de circulação e não devem bloqueá-la!!



quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Koreia do Norte por norte coreanos e trump

Deixo-vos esta pérola.




Tão óbvio.
Uff and puff. 

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Pés e pernas sobre um fundo azul


Já começou.
E já enjoa.

A quantidade de fotos de pés e pernas com unhas pintadas ou por pintar, com pêlos cutâneos ou sem, com ou sem tatuagens já começou a invadir o meu facebook como uma praga enjoativa.

Sim, chegou o meio de Agosto...

Blhac!








segunda-feira, 14 de agosto de 2017

Calona, muito calona!

Hoje um outro potencial inquilino veio ver o quarto que vai vagar no final do mês.

A «nova inquilina» vai passar a ser a terceira inquilina. 
E ela tem sido uma decepção.

Não faz a ponta de um corno. Só usa a casa como se fosse um hotel.
Não limpa o forno depois de o deixar sujo.
Não varre umas quaisquer migalhas que tenha deixado cair.
Enche os caixotes de lixo com lixo que acumula no quarto. Mas não os despeja.
Não faz a limpeza!

Que raio. Na vez que lhe coube, primeiro «fingiu» não ter dado conta. No mês seguinte lá limpou - mal, mas eu celebrei o gesto. (ver post). Passado outro mês simplesmente escreveu uma data no calendário dando a limpeza como feita - quando não mexeu uma palha!

Depois foi o que já aqui relatei... 

Aspirou e despejou cestos. Mais nada.

Outro mês passou e amanhã é o último dia que tem para limpar no prazo que lhe cabe. Como a seguir é a semana do que está ausente,  ainda lhe dou esse prazo. Mas sinceramente... tudo nela é pouco motivador.

Está fechada no quarto quase o dia todo. Tenta não deixar os outros perceber se está em casa ou não. Ontem nem sei se entrou ou se já cá estava... Só dei por ela quando tossiu. E ao descer as escadas, deparo-me com isto: 


Papelada que o carteiro atirou para dentro de casa. E eu fiquei naquela... será que a terceira ao entrar em casa não viu isto?? 

De madrugada saí eu para o emprego e, cheia de pressa, simplesmente passei por cima dos ditos. Também o fiz por querer perceber se a calona seria capaz do gesto de vergar a coluna para os apanhar. Já que até é a vez dela de limpar a casa e só lhe ficava bem... não é?

Pois quando regressei às 18h, encontrei a imagem acima.
Não tocou num único papel.
Mas decerto teve de sair de casa... ou já não trabalha??
No mínimo teve de descer as escadas para ir à cozinha comer. E ao ver os papéis no chão não foi capaz de apanhar um!!

Se quando cheguei ela já estava em casa ou fora, até agora não sei. Mas julgo que estava dentro, pois ouvi a porta do quarto abrir, ela descer e depois subir as escadas, após escutar uma batida à porta. Se estava fez-se de morta.... como um rato. É muita imaturidade e infantilidade para mim a esta altura do campeonato. Isso e os oreos... Só imaturidade. A míuda do andar de baixo é capaz de ter a mesma idade que a terceira, mas é muito mais mulher, adulta e responsável. Nem tem comparação.

O pior é que não foi capaz de apanhar as cartas do chão mas para recolher uma encomenda do carteiro à porta... foi a voar!

E a sala?  Coloca amiúde o estendal em frente da TV... e faz duas semanas que depositou roupa por toda a sala - inclusive mesa e cadeiras e não há meio de a recolher! Aquilo parece um armazém de entulho.


Estou muito pouco optimista e creio que a minha intuição inicial estava cheia de razão. 
Calona. Indiscutivelmente calona.

Eu jamais escolheria para morar cá uma miúda que não sei porque razão saiu da casa onde estava... Cá para mim saiu escorraçada por outras da sua idade que não suportaram a sua inércia e descaramento. 

domingo, 13 de agosto de 2017

Coisas (só) de HOMEM



Só não usam o berbequim para fazer um furo nas orelhas porque... Enfim. 

Ainda não arranjaram como.