sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Fui um Pulha - final


O homem continuou em pé e eu distraí-me a começar uma conversa com a senhora idosa que se sentou ao meu lado. 

Só tive tempo para perceber que, na fileira atrás, uma outra mulher se preparava para ceder o lugar ao senhor idoso. Ao que este volta a recusar, acrescentando:

- "Deixe-se estar. Eu não mereço. Sou um pulha. Se a menina soubesse o que fiz na vida não ia querer dar-me o lugar. Fui um pulha nesta vida. Não mereço sentar-me.".


A a rapariga, intimidada e surpreendida com aquele desabafo, contraiu-se de volta para o seu lugar, em profundo silêncio. 

NÃO FOI A PRIMEIRA VEZ QUE ESCUTEI ISTO.

Homens de uma certa idade, nos transportes, a recusar um lugar afirmando serem desmerecedores desse gesto de cortesia, por terem levado uma vida «desmerecedora», e se auto intitularem «canalhas» ou «pulhas».

O que acham disto?
O que faz homens assim?
É a educação e valores que receberam?
É o aproximar da hora do juízo final?

Mas é muito interessante, a franqueza e honestidade com que se assumem pecadores. Talvez arrependidos, ou temerosos devido à avançada idade e à aproximação do dia do julgamento. Ou talvez, se fossem jovens cheios de vitalidade, novamente voltariam a cometer acções que hoje, com mais discernimento, os fazem a seus olhos uns pulhas desmerecedores de certas cortesias.


terça-feira, 21 de novembro de 2017

Fui um pulha - 2

Como contei, tinha acabado de me sentar no transporte público, grata e aliviada por ter conseguido lugar, quando entrou um senhor idoso, que de início nem vi.

A rapariga à minha frente inicia o movimento para se levantar e lhe ceder o lugar. É aí que dou conta da presença do homem, porque este diz-lhe para se deixar estar. Não precisa que lhe ceda o lugar de propósito, só aceitaria se ela fosse sair na próxima. A rapariga deixa-se, então, estar. E eu estou quase para fazer o mesmo que ela, levantar-me e insistir para que o senhor tome o meu lugar, quando dou conta do meu cansaço mas, também, do jovem rapaz que está sentado à minha frente.

Erámos todas mulheres naqueles quatro bancos. Excepto ele. 

Não é a primeira vez, nem a segunda. Provavelmente nem a vigésima mas é recorrente. O simples conceito disto desilude-me mas é uma realidade que consto facilmente nos transportes públicos: quando alguém vai para se levantar do lugar para ceder o espaço a uma pessoa com mais idade, essa pessoa NUNCA É UM HOMEM. 

Está sempre a acontecer: entram pessoas a quem é suposto ceder o lugar por terem prioridade - grávidas, pessoas com crianças, idosos ou pessoas portadoras de bengalas ou deficiência e NADA de um mancebo que está mesmo ali se levantar. 

São quase sempre as mulheres que cedem lugar, mesmo quando sentadas ao lado de jovens rapazes.

Mas o que é que se passa com o «cavalheirismo», morreu de vez?
Se temos noção de que devemos ceder o lugar, então também sabemos como deve funcionar as prioridades. Também se sabe que fica bem a um homem que viaja sentado ceder o lugar a uma senhora que está em pé. Porquê? Pelo mesmo princípio pelo qual o cedemos a idosos, crianças e pessoas de fraca mobilidade! 

Mas já não se faz isso nem com idosos, como deu para perceber. O rapaz ali sentado nem se mexeu. Estar rodeado de três mulheres, uma prestes a ceder o lugar a um homem idoso, não o sensibilizou para o seu «dever». Aceito, um pouco com maus olhos, que um jovem aparentemente saudável na flor da idade e cheio de vitalidade, acabe por não ceder o seu lugar a uma mulher que, aparentemente, não tem nenhum problema. Pode viajar em pé, simplesmente é mulher e provavelmente está mais cansada ou carrega mais sacos e malas... Mas um jovem rapaz, saudável, capaz de sair dali a correr e subir todos os degraus da escadaria aos pulos, saltando dois em dois...

Fica mal. 

Ainda na véspera, fui eu que cedi lugar a uma senhora que entrou no eletrico (daqueles antigos) com uma criança pela mão. Ainda aguardei uns segundos a ver se o homem ao meu lado ia ter esse gesto de cortesia. Ou qualquer outra pessoa ali, realmente. Mas NINGUÉM reagiu e eu não esperei mais tempo e perguntei à senhora se queria sentar a criança no meu lugar. Ela nem me ouve há primeira, distraída que está a tentar certificar-se que paga a viagem e a criança está junto dela. Pelo que tenho de repetir para que me oiça e para que seja ela a ficar com o lugar, e não outro que vem atrás. 

Nestes preciosos segundos, o homem ao meu lado não tomou a iniciativa, nem nenhum outro naquele eletrico. Não cedem o lugar a mulheres, a idosos nem a crianças. De facto a MULHER tem muita mais sensibilidade. Muitos homens parecem ser uns insensíveis. Até que um dia, sejam eles a precisar de lugar.

E quem é que lhos vai ceder?
As mulheres. 

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Fui um pulha - parte 1




Tinha acabado de sair do eléctrico articulado que estava cheio até às costuras. Durante toda a viagem estive tão comprimida entre tanta gente que julguei de verdade que os meus orgãos internos iam demorar a voltar ao lugar. Um homem muito alto entrou por último e, junto com mais dois, conseguiu espremer o já apertado espaço. Segurou-se ao poste onde as minhas costas estavam a ser comprimidas e o seu cotovelo ficou mesmo a bater-me na cara. A única forma de contornar isso foi desviar o pescoço e seguir o resto do percurso assim. Desconfortável? Sim. Bastante!!


Por fim cheguei ao destino. Completamente «prenssada». E logo tive de me enfiar noutro meio de transporte público, pois em Lisboa é assim mesmo que se chega a qualquer lugar: é preciso entrar e sair de vários transportes para chegar a um só destino. Costumava levar duas horas de viagem só para ir de Lisboa para... Lisboa. Segundo o Google Maps, são cerca de 14 quilómetros. Uns meros 15 a 20 minutos de deslocação por carro particular - diz a mesma aplicação. Mas de transportes, não fazendo grande diferença a hora - cerca de 120 minutos.

Até que experimentei recorrer só ao metro. Até onde este vai, claro... O resto do percurso tem de ser feito pelo elétrico, o único que passa pelo ponto A e B, ou vários outros autocarros, do ponto A para o A2 e deste para B.
,
Tenho de andar 15 minutos a pé até alcançar a entrada do metro. Uma vez lá dentro, há que subir e descer uma porção de degraus, trocar de linha e novamente andar um bocado. Por isso dei preferência aos autocarros, por me deixarem mais perto e me pouparem a caminhadas que consomem preciosos minutos. 

Porém, na prática o metro é o transporte que economiza o tempo de deslocação, mesmo incluindo as caminhadas. Esperar por um autocarro pode levar até mais de 15 minutos. Esperar por três, leva muito mais. Porque o percurso nunca é feito num só, há que fazer transbordos para chegar ao desejado destino. Geralmente preciso de fazer três. Além do tempo de espera entre transbordos e os minutos de caminhadas até eles (nunca me calha que a paragem onde desço é onde passa o próximo que preciso apanhar), o veiculo precisa parar várias vezes. Tanto nas paragens de percurso para a recolha e largada de passageiros, como as impostas pelos semáforos e restante tráfego. 

Isto consome tempo. Após muitas tentativas combinadas de diferentes autocarros, o metro acabou por provar ser a melhor opção. Passei a fazer o percurso em cerca de hora e meia, ás vezes um pouco menos.

E digo: são minutos preciosos.

Como dizia, tinha acabado de sair do eletrico e entrado noutro transporte. Nesse tinha um lugar vago . Aliviada e a precisar descansar, sentei-me.

Nisto aparece um senhor de alguma idade. 

domingo, 19 de novembro de 2017

Os dias num mês de vida feminina


Noutro dia a Ana, do Escrevi e Vivi, fez um post sobre a primeira menstruação.
Estava aqui quase a dormir mas incapaz de entrar no sono devido a uma circunstância alheia e foi então que tive vontade de vir escrever sobre o mesmo assunto. Já o fiz antes, mas aqui vai novamente. Os mais sensíveis ao tema ficam já avisados e estão a tempo de voltar atrás Eheheh.

Estou «quase» a ficar menstruada. E quando digo quase, quero dizer que pode levar 10 dias. O meu corpo já mo está a avisar faz dois. E como avisa? "Sente-se" as entranhas do aparelho reprodutivo. A melhor forma que encontro para descrever a sensação é de que o útero está a ser esticado como se estica um elástico. Sente-se toda aquela tensão do esforço. É uma sensação permanente. Não vai embora durante todas as vinte e quatro horas que dura um dia. Outro dos avisos do corpo feminino é essa mesma sensação nos seios. A sensibilidade dos mesmos está ao rubro e é como se se sentisse esse rubro. O mês passado alguém veio dar-me um abraço durante estes dias e devo dizer que a mulher tem sempre de disfarçar... dores. A simples compressão do peito foi dolorosa.

Isto tudo porque a natureza nos quer mães!
Embora cada caso seja um caso em tudo o que aqui vou descrever, no geral o ciclo de uma mulher saudável surge a cada 26 a 28 dias. Quando a menstruação desce, pode durar de 3 até 7 dias. 

 O que aqui vou frisar é a matemática de tudo isto. Para que se compreenda como é um mês na vida de uma mulher. E depois o outro,  o outro, e o outro... sem fim. 

Um mês tem 30 ou 31 dias. A menstruação de uma mulher vulgarmente diz-se que vem "todos os meses", mas na realidade o ciclo é menor que o do calendário convencional, no geral rondando uns estimados 28 dias. 

Parece um intervalo de tempo «aceitável» mas a realidade é diferente.


Vou usar para ilustrar melhor a situação, a menstruação anterior. Que surgiu no dia 1 de Novembro. Reparem, estamos a 19 e desde o dia 17 que o corpo «mudou» e já está a dar sinais físicos de dor e desconforto. E de quanto durou o ciclo? Aproximadamente sete dias. O que significa que chegou a 1 e foi embora a sete. Apenas 10 dias depois, o corpo já avisa que deu início à fase de maturação do óvulo, preparando-se para o fazer descer ao útero e, eventualmente, expulsar. 


Penso que neste instante o que «sinto» com esta sensação de tensão elástica e sensibilidade é o malandro do óvulo a passear feliz desde a trompas de falópio em direcção ao útero. E pode levar 10 dias nisto. Enquanto o malandro viaja, não se incomoda de «expandir» as paredes à sua passagem, de forma a incomodar o hospedeiro KKKkk

 Quando chegar ao destino, aloja-se por um dia e impaciente e chateado por não ter tido companhia para o receber, decide explodir com aquela cena toda! E é então que se dá a menstruação. Por sete dias. 

Resumo matemático:
A mulher tem em média apenas 10 dias no mês em que não sente nada incómodo relacionado com a sua  feminilidade. 


quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Nasceu Jesus Cristo (e outras coisas)

Impressões sobre a nossa Comunicação Social:


1) A julgar pelo telejornal da CM, o nascimento de Jesus Cristo há 2017 anos foi totalmente ofuscado pelo nascimento de Alana Martina. 

A miúda nasceu há dois dias, mas o telejornal não pára de falar disso. Faz um indeferido à porta da maternidade em madrid, põe-se a adivinhar as emoções dos pais e faz autênticas dissertações à fotografia pós-parto publicada por Georgina, a mãe da bebé, assim que chegou a casa. 


Isto de querer ser «chique» e imitar todas as estrelas internacionais, não resultou para Georgina. Olhem que falta de chá na foto... Diria que os dedos dos pés esticados para ficar bem na imagem já denuncia onde está o foco da maternidade... E as flores à volta de todo o sofá? Há que saber construir um cenário e este não foi bem conseguido. 



2) Entre Marido e Mulher, não se põe a colher

Parece que a Comunicação Social só agora descobriu que ser-se polícia é uma PROFISSÃO DE RISCO.
Ao que tudo indica, ao se ser polícia e tentar interromper uma briga, por espantoso que pareça, corre-se o risco de apanhar uns estalos. Vejam só! A descoberta que os media fizeram... Isto e a pólvora não sei não... qual a mais surpreendente. 

O pior é que está a fazer com que aqueles que não são tão estúpidos, sintam-se assim. 
O que pretende com todo este alarmismo?



Jantar «Polémico» 

A mesma comunicação social demorou DOIS DIAS a descobrir que o jantar da web summit no Panteão Nacional não foi o único a realizar-se naquela localização. E depois demorou dois dias para falar de todos os prévios. Isto é que é saber mugir a vaca! Não tem mais leite para dar, mas recicla-se. 


sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Portuguesinha está de regresso


Novidades, pessoal, novidades: A Portuguesinha está em Portugal!

Pois é...
Estou para ficar um pouco, mas tenho bilhete para voltar.
Só não retorno se, por um fantástico golpe de sorte, a situação laboral mudasse para algo fantástico.

Enquanto isso... as saudades! Vão ser eliminadas.
As férias que não tirei vão ser aproveitadas agora. E sinto-me feliz.
Por ter de volta a luz desta cidade, da qual senti saudade.
Já me acostumei ao clima inglês mas a identidade deste sol!!!


Sei que está frio e vento mas é como se fosse primavera.
As cores são mais vivas, a luz é mais forte... tudo em Portugal é mais intenso! É assim que explico a diferença de um país par ao outro. Cá quando dá sol, é forte, é luminoso, é intenso. Quando chove cai grossa, ruidosa, oblíqua ou suave, delicada... Lá tudo é mais blasé. As gotas de chuva são finas, gostam de cair direitas, sem causar muito ruído e sem ficar por muito tempo. O sol espreita mas esconde-se no mesmo minuto. Aqui ele é mais decidido! 


Lá deixei árvores caducas, passeios cravados de folhas secas, chuviscos constantes, temperaturas baixas e... a escuridão das 16.30h. Ah, como não sinto saudade disso! Gosto de ter claridade, como gosto da luz de Portugal!


Sei que vim e o sol vai ficar a acompanhar-me.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Só quem não é apanhado é que se safa


Uma hospedeira de bordo da British Airways foi demitida após a divulgação de um vídeo onde fez uns comentários sobre os clientes que recebe no avião. 

É típico dos ingleses.
TODOS O FAZEM.
E até pior que esta jovem aqui. 


Mas não foram apanhados. Ao invés de desculpar por saberem muito bem que tudo o que é dito é verdade e não teve real malícia ou consciência de ser impróprio, como com facilidade a tudo colam o rótulo de "racismo" e foi isso que prevaleceu, mais fácil que tomar a decisão compreensiva é DEMITIR a pessoa. 

Simples porque as pessoas são números. São importantes até à altura de causarem um mínimo desconforto. Aí são descartáveis como, aliás, sempre foram. As pessoas têm de se comportar muito bem - mas só nas aparências. Podem ser os piores «terroristas» e terem crenças realmente racistas. Mas desde que não sejam apanhadas e censuradas publicamente por as expressar, é como se fossem inocentes.

A meu ver esta ex-hospedeira da BA não disse as graçolas mal intencionada. Estava a tentar ser engraçada entre amigos. Mas descobriu que amigos há poucos... Ela própria afirmou que foi ludibriada por uns colegas, que a incentivaram a dizer aquelas coisas achando-lhe graça. Quem atende clientes sabe que existem padrões comportamentais que nada têm de racismo, apenas espelham uma questão cultural. E é natural que numa rota para a Nabímbia ou algo assim, se note o padrão comportamental das pessoas naturais desse país, assim como se conhecem os padrões dos orientais para a cortesia, pela preferência pelo chá... Onde está o racismo?

Este mundo está cada vez pior.
Isto do «politicamente correcto» é um veneno que se pode espalhar perigosamente na sociedade.
E é uma hipocrisia. 


Comentários gerais:
"Não detestam que hoje em dia tudo seja considerado racismo? Mesmo quando não é."

"Tendo crescido nos anos 60, crescemos sobre o sistema de "pedras e paus". Agora, graças ao Blair e companhia (tony Blair, ex primeiro ministro) vivemos na Grã-Bretanha Orweliana (George Orwel descreveu um mundo vigiado e censurado no seu romance 1984) onde tem de se olhar acima do ombro antes de dizer seja o que for. Patético".

"Sou um negro nigeriano e não vi nada de mais nos vídeos. Aliás, até comecei a rir. Os brancos é que acham que é ofensivo".


domingo, 5 de novembro de 2017

Kevin Spacey Predador Sexual de Menores


Kevin Spacey admitiu ser GAY.
Isto quando veio a lume uma sua tentativa de assediar sexualmente um rapaz, muitos anos antes.

E por isso, agora, ele decidiu comunicar ao mundo: "Sou Gay!"

O que ele não quis comunicar ao mundo é que é pedófilo.

Sim, porque ele não se interessou, pelos vistos, por homens. Mas por meninos. Só meninos.


Certamente não é o único. Muitos outros haverão naquele mundo «encantado» e simultanemante nojento de Hollywood. Estou a recordar-me daquele actor octogenário (ou quase) que entrou em todos os filmes do X-Men. O vilão... Desde que vi fotos dele com «chavalos» prostitutos ao lado que passou a transmitir-me uma vibração muito desagradável.


As fotos que vi eram daquela «hollywood» feia de que algumas vezes se escutam histórias. Aquela que já existia nos tempos do ator Rock Hudson, que faleceu em 1985 com SIDA e que ocultou a vida inteira que era gay e que a sua vida privada era rodeada de orgias, onde entravam muitos meninos.


50 anos se passaram... 

E Hollywood, aparentemente, mudou pouco. Mudou só por fora. No núcleo, os lobbies continuam os mesmos e aqueles que continuam a querer prevaricar com crueldade e abuso, continuam a ter o seu espaço. 



Documentário: 

Hollywood's Dark Secrets / An Open Secret


Vi este documentário quando apareceu. Ainda anda algures pelo youtube, mas está a tornar-se mais raro de encontrar. Tem sido eliminado. Há um link acima. Mas existem mais. Muitos mais. Parece até que o mês passado veio a lume outro indivíduo poderoso (Homem, claro, Harvey Weinstein) que também andou a molestar mulheres e actrizes que empregava. E ouvi nas notícias o caso de um outro que já morreu mas até a sua morte esse seu lado da vida permaneceu oculto. Conhecido só de alguns. E das vítimas.

Todos se calam. Não é de espantar. 

Mas um dia, a coisa vem ao de cima. Basta um abrir a boca. E muitos outros se seguirão. Ao que parece, chegou a vez de Kevin Spacey ser descoberto pelo público. Agora soube-se que ele teve comportamentos inadequados com jovens rapazes ao longo da sua vida. Graças a Anthony Rapp, o  primeiro a mencionar o que lhe aconteceu com o poderoso e admirável ator da série "House of Cards". Logo a seguir o filho do ator Richard Dreifuss (o oceanográfico no filme "Tubarão") afirmou que Kevin enfiou-lhe a mão na cocha quando este tinha 18 anos. Só contou ao pai anos mais tarde, como tanta vez acontece. Alegadamente o ator terá ficado irritado mas optou por manter a situação no privado. E é assim que é possível as coisas continuarem a acontecer. Seja dentro, seja fora de hollywood. Comportamentos «bizarros» de Spacey já deviam ser do conhecimentos de alguns, da suspeita de muitos e do conhecimentos de muitos mais. 

Grande ator? Sem dúvida! Gay? Já adivinhava... Mas pedófilo... Isso não fazia ideia! Ao mesmo tempo, não é assim tão surpreendente. Porque será que gay e pedofilia andam tanto de «mãos dadas»??




sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Receitas anti-depressão


Fui casualmente parar a um site com uma «receita» para transformar a depressão em felicidade. Por curiosidade, espreitei o que dizia.


De todos as 8 maneiras apresentadas para alterar de um estado de espírito depressivo para um de felicidade, o único «ingrediente» que me pareceu ser realmente eficiente é este:




Tradução livre:
Mantenha o seu pensamento no «aqui e agora»
Parte do motivo pelo qual se sente triste e depressivo tem a ver com a quantidade de tempo que fica a pensar em coisas do passado ou o não estar entusiasmado com o que se segue, não perseguir um futuro. Pode contornar estas emoções negativas simplesmente por se concentrar no "aqui e agora". Faz parte do HOJE e deixa tudo o resto para trás. A depressão começa a afastar-se e a energia que precisas para fazer parte da vida regressa. 


Devo dizer que isto é muito parecido àquela antiga expressão "não vale a pena chorar sobre o leite derramado". 

Os provérbios portugueses são em si um livro de auto-ajuda e conhecimento


E está tudo certo.
Imediatamente PAREI de pensar no que aconteceu no passado e me pus no presente. E o presente estava também a planear o futuro. E não é que aquele peso nos ombros foi embora? 

Se isto resultar sempre, vou recorrer a esta simples constatação mais vezes :D 



quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Casamento Religioso ou espetáculo?


Desculpem-me mas isto não me cai bem.

Ou bem que te casas, ou bem que dás um espetáculo. 



Entendo perfeitamente o querer cantar no próprio casamento... Algures durante a cerimónia, como por exemplo, durante o copo d'água. Mas «parar» no casamento em si, de pé no altar, dentro da igreja, ao lado do noivo que daí adiante ignora por completo e desatar a cantar uma longa Avé-Maria com direito a versão internacional... não me cai bem. 

Se ficasse na intimidade, algo feito para os presentes convidados, tudo bem. Mas não... foi capturado por uma equipa profissional de cameras com todos os enquadramentos e movimentos de imagem típicos de quem dá um show televisivo...  e divulgado nas redes sociais. 

A mim não me caiu bem. 
Mas hei... 
Cada um tem a sua sensibilidade.
Pode ser que um dia isto se banalize demasiado e já nem incomode.

Sou muito receptiva a muitas ideias «out of the box» e adoro coisas assim mas... tem de fazer sentido. Exibicionismo, aproveitamento profissional ou alienação dos restantes... Isto é uma mistura de dois momentos íntimos distintos que, a meu ver, não combinam. 

As vísceras das redes sociais não «caíram em cima» disto??
Muito me surpreende Kkkk

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Para RECORDAR e instruir


Não estando em Portugal, não sei dizer...
Como nunca mais ouvi falar da música, vou supor que "Amar pelos Dois" não passa mais pelas rádios.

Ou seja: tudo voltou ao normal. O pop que se escuta são quatro ou cinco música Hits e é tudo. O resto nem se ouve. Nem a Madonna que deixou de lançar álbuns tem as suas músicas a tocar na rádio. Ao chegar a portugal desconheço se alguma rádio ou programa musical televisivo decidiu aproveitar a oportunidade para fazer uma retrospectiva de carreira.

Continuam os quatro ou cinco Hits a tocar...

Então, se nem a rainha da Pop é relembrada, como pode "Amar pelos Dois"?
Olhem, mas eu lembro! E por isso, aqui está.
Um fantástico vídeo sobre a música e uma entrevista a Luís Figueiredo que vale a pena ver.


domingo, 29 de outubro de 2017

Morre borboleta


Por vezes tenho a sensação que a minha miséria traz sorte a outros.
É como se se confirmassem as minhas suspeitas de que algumas pessoas vêm o seu caminho e a sua boa energia serem sugadas de si, roubadas, apossadas por outros. 
Por vezes há tanto mal à tua volta e nem te apercebes da sua força. Até que tudo te cai em cima. E enquanto sentes o peso de tudo, uns que andavam por aí sem grande rumo ou gosto, parecem começar a esvoaçar que nem borboletas. 

Estará isto ligado? Será que no mundo não podem todos andar ao mesmo tempo felizes, uns têm de ficar miseráveis para outros poderem rir?

Faz sentido?

       

Halloween? Estou no país ERRADO!!!


Então venho para o UK, país com tradição nisto do Halloween e tal...

E depois o que aparece é ISTO??


                                                    Estou no país errado.

Um péssimo Halloween

Nem no virtual, caros amigos.


Soube hoje pelo Facebook itself que esta rede social disponibiliza máscaras de Halloween para serem usadas neste período de tempo festivo. Inclusive durante video live chats (chamadas em vídeo em direto). Imaginam o que é estar ao vivo e durante todo o tempo em que se imite imagem o teu rosto tem um verruga enorme, um nariz comprido, uns olhos cavernosos, negros, malévolos, uma pele esverdeada e um chapéu pontiagudo na cabeça? 

Pois era isto que me apetecia fazer.
Telefonar para Portugal virtualmente «mascarada» de bruxa ou qualquer outro disfarce. Já que as tais festas parecem terem sido um truque de ilusionismo (post anterior) pretendia ter mais sorte no mundo virtual. Mas por algum motivo que desconheço, não tenho qualquer forma de conseguir as tais «máscaras».
Diz o facebook que basta fazer a chamada no messenger e pronto: os filtros estão disponíveis. Mas eu não tenho nada. Não posso ser um duende verde, nem uma bruxa, nem um fantasma, nem um esqueleto ensaguentado ou um zombie...

Digam-me vocês, muitos mais entendidos nisto que eu. Conseguem usar o face/messenger com máscaras de halloween??

Se ainda não sabiam desta, aqui fica a dica. Deve ser divertido. Mas vai ser mais uma diversão que me escapa. :( 


terça-feira, 24 de outubro de 2017

Viver o Halloween



Há uma coisa que gostava de experimentar já que estou a viver no Reino Unido. Ir a uma festa de Halloween.


Uma festa que de resto deve ser igual a muitas outras: com convívio, música, conversa, com a diferença que cada um usa da sua criatividade para aparecer mascarado e as decorações são sombrias. Soa a algo engraçado, além de me parecer um óptimo pretexto para conhecer pessoas.

O problema é que enquanto estava empregada até cheguei a sondar, mas ninguém pareceu sequer motivado com o tema. Seria de julgar que a cidade aproveita a data para organizar eventos. Decidi experimentar e googlei "eventos de halloween". Num site que lista esses eventos, aparece esta descrição apelativa:

You might be that bit too old to go out trick or treating on Halloween, however you can bet there will be plenty of Halloween events in for you to get involved with
There are loads of Halloween nights with things to do around Halloween ranging from the traditional apple bobbing Halloween games, dance till you drop, fancy dress Halloween parties, and loads of restaurants will be getting out the cobwebs and altering their menus to add a Halloween flavour.
As the days gets shorter and the nights get longer, a Halloween party is just what the doctor’s ordered to get through those post-Summer blues
Mas ao mas ao carregar no link que informa que festas fantásticas são estas,surge isto:
 "No events found at present.".
  
Até em inglaterra as coisas são só para inglês ver...


domingo, 22 de outubro de 2017

Concordam integralmente ou discordam em parte?




Em português de PORTUGAL, traduziria o texto original assim:

Acho insensato as mulheres quererem ser iguais aos homens. Elas são superiores e sempre foram. O que se der a uma mulher, ela o transformará em algo maior. Se lhe deres esperma, ela dará um bebé.  Se lhe deres uma casa, ela devolve-te um lar. Se lhe deres mantimentos, ela dá-te uma refeição. Se lhe sorrires, ela dá-te o seu coração. A mulher multiplica e amplia o que lhe é oferecido. 

Então, se lhe deres porcaria, prepara-te para receber uma tonelada de lixo!


quarta-feira, 18 de outubro de 2017

10 pence


10 pence é o equivalente a 10 cêntimos.
Estava aqui e subitamente estabeleci uma correlação sobre o que se valoriza aqui no UK.

Dias antes de ser «dispensada» do emprego eu e a gerente fazíamos a contagem de dinheiro  da caixa (registadora) e no final tinha-a em baixo 10 «cêntimos». A gerente achou por bem comentar em meio de uma risada «foi um dia pouco movimentado, não fizeste muito dinheiro mas mesmo assim conseguiste perder 10 cêntimos». 

Eu lembrei da sua reacção no dia anterior. No dia anterior, no final da caixa feita, comentei: «Não pode ser. Eu dou sempre o troco certo!» ao que ela me respondeu, contente: «Portuguesinha, está tudo bem. São 68 cêntimos a mais. Não tem problema, ah?».

Para mim tanto é negativo se for para mais ou para menos. Se for para mais então até considero pior, porque pode significar que um cliente saiu insatisfeito. Mas isto «escapa-lhes» ao ver os cêntimos de lucro. O que sempre queria era ter a certeza que todo o cliente levou o troco correto. E ter a caixa no final do turno sem qualquer variância. Se isso não acontecesse cabe a mim saber porquê. Pode ser erro no troco ou erro do supervisor ao alterar algum produto que o consumidor desejou alterar. Naquele dia simplesmente soube que não existiu erro no troco, não recebi centimos a mais pelo que fiquei surpresa sem saber de onde apareceu a quantia em excesso. E não fiquei contente. A gerente, pelo contrário, ficou. 


Depois dela fazer o comentário dos 10 cêntimos que eu por saber o que faço sabia que faltavam, olhei para o bloco de anotações das caixas e reparei no resultado da contagem da caixa da pessoa anterior a mim. Tinha perdido 36 cêntimos (mais do triplo do «prejuízo») e feito quase metade da quantia de dinheiro que eu angariei naquele dia. 

Era tão óbvio que a sua reacção não fazia sentido que optei por nem argumentar. Não achei necessário. Por 10 cêntimos e pela caixa anterior...


Agora fico aqui a pensar se o comentário algo tendencioso não era já um indício de má vontade

Quando se quer implicar com alguém tudo serve de pretexto. 
Creio até que a implicância seja alimentada pela acção de alguns que ali se esforçavam para dar a entender que o meu trabalho era mal feito e que eu era incompetente. Bastaria um deles chegar perto dela e começar a "plantar" a ideia de que eu não era das pessoas mais lucrativas atrás do bar. 

Por acaso, a certa altura, dei conta que eles se importavam muito com isso. Então comecei a prestar atenção à quantia de dinheiro que fazia no final do turno e a espreitar a dos outros. E percebi que, de facto, até era das mais lucrativas. Por vezes, a mais lucrativa do dia. Mesmo quando «perdia» alguma clientela por me ocupar de TODO o trabalho e não ficar parada em prontidão a aguardar o próximo: Mesmo assim.  

Mas quando metem na cabeça que querem derrubar uma pessoa e se fazem «grupos»... aquilo é como um hobbie para eles. Um motivo que os une e que os satisfaz.

Estou de rastos emocionalmente, mas deveras contente por ter deixado aquele emprego e ter aquele tipo de gente pelas costas. Só espero que a seguir venha algo que eu mereça. Gente BOA! De trabalho não tenho medo. E dou o meu melhor. Só quero em troca gente decente, de boa índole e boa fé.

Temo é que isso seja esperar o impossível.



O tempo passa.
E o que não fiz está a tornar-se uma vida em si.
também o que não aprendi como se faz.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Pedrogão tem de fazer a diferença


Estou aqui a quilómetros de distância de Portugal e do que se passa lá. Mas o meu coração sente-se irrequieto com estas constantes notícias de incêndios. Pior: de pessoas mortas pelo fogo dos incêndios.


JÁ CHEGA, não???
Chega!


Parem de ser tão ineficazes no impedimento de mortes. Também oiço falar de incêndios em França e na Califórnia mas sem fatalidades! Até mesmo a de animais. Só existem prejuízos materiais então porque é que em Portugal fogo tem de trazer como consequência mortes humanas??

Chega!
Estou farta. Pedrogão jamais será esquecido mas jamais pensei que em três meses voltaria a ver noticiado a morte de mais umas tantas dezenas de pessoas igualmente queimadas vivas. Isto é inadmissível em pleno século XXI, com tantos recursos e tecnologia. Inadmissível. 

Estou que não posso.

Crónica da Manuela, do expresso. 
TODOS nós temos família algures nessa terra que arde. 
Todos que morrem somos nós também. 


domingo, 15 de outubro de 2017

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

What an Idiot!!






Não está, mas devia estar!
Para eu mesma me lembrar do quão IDIOTA consigo ser.



segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Faz hoje 50 anos...


...que Che Guevara foi executado.


Coincidentemente, também foi hoje que fui «executada».
Novos ventos terão de soprar.
Vamos a ver se escolho bem o rumo que quero tomar.

Viver e não desistir (?)


Nascemos assim:


Mas depois...





E quando crescidos...





Será (que) assim (que) chego à terceira idade???









sábado, 7 de outubro de 2017

Blade Runner 2049 - Fui ver em 4DX


Fui assistir ao filme Blade Runner 2049 e escolhi a versão 4Dx. Foi a primeira vez que entrei numa sala de cinema esperando que a cadeira abanasse, o vento soprasse, etc, etc. Mas sem saber ao certo o que dali podia sair. Fui para descobrir como os meus sentidos iam ser estimulados e de que forma essa estimulação ia intervir ou contribuir para a visualização da história.


A escolha do filme é importante - uma comédia romântica provavelmente nem terá porquê ser filmada em 4D mas Blade Runner é um filme de acção. O que eu esqueci totalmente é que muito da acção do filme se passa debaixo de chuva torrencial... 

Passei o filme todo a ser borrifada com água na cara. Tive de limpar os óculos 3D e logo coloquei o casaco sobre a cabeça acabadinha de sair do duche fazia nem meia-hora. Estreei calças novas, em pele, que também foram salpicadas. Havia um botão a dizer "desligar água" e bem que o accionei. Mas não resultou. Continuei a ser borrifada. Quando saí do filme estava a chuviscar. Mais água. Mas essa tudo bem. Vem do céu... No cinema não achei que contribuísse muito para o filme. 

Rajadas de vento, ainda vá lá. São agradáveis. O nevoeiro foi uma piada... um «borrifo» minúsculo em cada canto inferior do pequeno ecrã (achei o ecran pequeno, podia ver todo o enquadramento à volta, as paredes e outras cadeiras) que nem sequer entrava no campo de visão da imagem nem na área onde algo acontece. Na regra dos terços, o «nevoeiro» iria até  o cotovelo do ator na imagem e no outro lado até onde o colarinho toca o ombro. 

Exemplo da regra dos terços

Sobre o filme posso dizer que o que mais gostei foi da interpretação da atriz que fez o papel de... bom, o nome da personagem é Dra. Anna Stelline. E o nome da atriz Carla Juri. É de origem Suiça - não fosse um filme desta envergadura interpretado por atores de quaisquer nacionalidades. O que realmente gostei foi, mesmo antes de se descobrir a verdade, já consegui adivinhar pelos maneirismos e até sotaque que a atriz emprestou à personagem. A sua própria fisionomia, a forma como se mexia, como se movimentava e a forma de falar: em tudo fez lembrar a Rachel.

Essa foi a parte que mais gostei.
É aquele «pequeno detalhe» que um ator empresta à personagem que faz toda a diferença.

Outra bela interpretação veio da «substituta de Priss» - entregue à atriz canadiense Mackenzie Davis.  Assim que entra na história fá-lo com presença e sobressai na sua entrega à personagem. 


A pergunta à qual muitos querem ter resposta, não será respondida.
E faz sentido. Só assim faz sentido.

Sinto que me falta ver o filme mais vezes. Senti falta das legendas. Não que não entendesse o que os atores estavam a dizer, mas é um complemento ao qual me acostumei - principalmente no cinema, e do qual, sem adivinhar, comecei a perscrutar com os olhos assim que o primeiro diálogo fez-se escutar. Depois é que me lembrei onde estava :D 

Mas sinto que preciso ver o filme mais vezes por dois motivos. Estava indecisa entre ver o filme em 3D IMAX ou em 3D com 4Dx. Como achei que a oportunidade de ir a um filme mais interactivo não voltaria tão cedo, optei pelo último. Pessoalmente, ainda que seja prematuro, acho que compensa mais o estímulo que um filme filmado em 3D Imax proporciona. Técnicamente deve ser um SONHO: é filmado em película de 70 mm, o som é gravado à parte e não-sei-quantas pistas e o ecrãn é uma coisa do outro mundo. 


No cinema 4Dx as cadeiras sobem e descem - por vezes sem muito sentido. Abanam as cadeiras, sacodem-nos dos assentos a cada cena de pancada, um tubo de plástico bate-nos nos pés e outro nas costas. E somos molhados. Basicamente são estes os estímulos. Estava à espera de algo mais envolvente - nomeadamente CHEIROS. Queria sentir um odor. Mas o único que senti foi quando alguém na sala decidiu soltar uma bufa. :( 

Os únicos sentidos estimulados foram o do toque e o da visão pelo 3D. Achei pouco. Principalmente pelo preço de 20 libras.

Penso que os sentidos são mais estimulados nos filmes em IMAX, porque a audição ganha MUITO detalhe. Neste filme o som estava muito alto e basicamente foi isso. Não se sentiu o barulho da água a correr da direita, enquanto da esquerda vinha outro som - como acontece nos filmes IMAX.

A promessa de envolvência que o 4Dx promete é mais propaganda do que real. O Imax fornece muito mais aos sentidos - e não se sai da sala molhado. Acho que o «estar dentro do filme» é um exagero (principalmente devido à tela minúscula) e, para ser sincera, um dos motivos pelo qual acho que devo assistir novamente ao filme, é porque de certa forma os «efeitos» interferem com a apreciação do mesmo.

Como posso concentrar-me na acção se enquanto esta está a decorrer estou a cobrir-me com o casaco, de forma a este não ser levado com o vento nem me deixe levar com a "chuva"? 


Certamente que o filme passará em breve nas televisões. Vai estar disponível para aluguer nos videoclubes caseiros, disponível em DVD com cenas extras e comentários, etc. Vai sair em pack promocional junto com o original... 

Outras oportunidades surgirão. E aí uma pessoa vai descobrir como o filme se situa diante do todo.
O original, contudo, é imbatível. Porquê? Pelas condições em que foi feito. Com os artistas envolvidos sem saber se o filme ia ser parado e nem sequer ia ser exibido. Com eles a filmar com apenas segundos para terminar cenas. Com o diretor a saber que dali a pouco ia ser demitido. Um filme único na produção - assim como foi "O Tubarão". E um filme onde a criatividade de muitos foi acolhida como contributo para "salvar" uma produção que estava a sofrer muitas contrariedades. Resultado? Obras-primas.

Sugestões para Penteados


Estou com vontade de mudar os meus cabelos. Encontrei por acaso um vídeo no youtube intitulado "cortes para outono 2018" e carreguei por curiosidade. Fiquei inspirada e com algumas ideias, mas não vou copiar nenhuma. Até porque a maioria dos cabelos aqui apresentados são lisos. E cabelo liso presta-se a cortes que cabelo ligeiramente ondulado não se presta.

Contudo, o que me fez transportar este tema para aqui foi outro motivo. Esta imagem, uma still que tirei do vídeo:


Este já foi o meu cabelo. Com todo o respeito para com a modelo, penso até que talvez conseguisse uma quinta trança, ou apenas quatro igualmente espessas. Nesta foto o cabelo da modelo foi dividido em quatro tranças, duas mais finas à frente e duas mais grossas atrás. 


Como só uso trança nos últimos meses, uma coisa que me «chocou» foi verificar, por casualidade, que a espessura da mesma diminuiu em apenas um mês. Com o cabelo húmido, costumava fazer a trança e esta tinha a espessura das duas primeiras desta imagem. Agora tem a espessura de uma do meio, mas está seriamente a ficar com a espessura de uma da ponta. 

Para quem já teve quatro grossas, ver o progresso para isto é... pronto. Tento ver pelo lado positivo: ainda me restam alguns fios. Mas não dá, é impossível, por vezes, não abandonar um pouco o conformismo e recordar «outros tempos».


No vídeo que deixo aqui surge ainda um corte de cabelo que me trouxe lembranças. Podes vê-lo aos 7m14s. Aquela tesoura começa a cortar a parte de trás e parece que só o consegue fazer por filas, tal é a quantidade de cabelo.

Esta imagem recordou-me uma altura em que decidi cortar o meu próprio cabelo. Estava em casa, aborrecida, cansada de me ver com o cabelo comprido e decidi ir buscar a tesoura e cortá-lo um pouco acima dos ombros. Com ele seco, comecei a cortar. Primeiro no lado esquerdo, depois do direito. Já tinha uma quantidade de tufos de cabelo bem grandes no chão - davam para encher uma almofada quadrada 15x15 quando, cansada e com receio de cortar torto, percebi que, na parte de trás, na parte da nuca, não ia conseguir cortar. Era muito cabelo que me sobrava e sem ter olhos nas costas, fica difícil. 

A solução era pedir à minha mãe, quando acordasse, para mo fazer.

Vou cortar as minhas longas tranças, eheheh!

E assim, por uns minutos, andei com a parte da frente do cabelo pelas orelhas e atrás, comprido como tudo Kkkkk

Hoje jamais poderia fazer isso. Ia parecer um rato de esgoto. Teria um fiozinho de lã atrás e uns parcos curtos à frente :D

Se um dia encontrar uma imagem desse momento, publico.
Lembro-me que me filmei com o cabelo meio cortado, mas auto-filmagem em espelho com câmera daquelas do tamanho de um tijolo que funcionava com fita magnética... é outra coisa. Se um dia voltar a ver essas imagens tento tirar uma still. Mas tenho dúvidas, pois infelizmente acho que apaguei-as da fita depois de as transferir para o digital, em formato DVD, suporte esse que logo deixou de funcionar. 

E que tal?
O vídeo deu-vos algumas ideias?

O que vos apeteceria fazer no vosso cabelito?

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

A diferença entre se ser RICO ou POBRE




Não é ciência nenhuma...

Mas apeteceu-me partilhar por a minha infância ter sido o oposto. 
Alguns sabem o quanto estas palavras bonitas «picam» a alma por, indubitavelmente, trazerem à lembrança outra realidade. 

Ontem uma pessoa perguntou-me porquê me vejo numa luz «derrotista». E sem entrar em especificações, tentei explicar o quanto um certo «negativismo» nas raízes de muitas famílias portuguesas contribui para esse colectivo. 


Por isso relembro: pobre não é aquele que cresce sem bens materiais ou com pouca comida.
Pobreza é outra coisa. É quando vem do espírito.

sábado, 30 de setembro de 2017

Rutger Hauer - Calado seria um poeta (1)


O ator que fez parte do elenco do filme Blade Runner comentou que a sequela, presentemente nos cinemas, é desnecessária.

CALADO SERIAS UM POETA!

A opinião dele é:

«O filme não precisa de continuação. Mesmo que tivesse saído alguns anos depois do primeiro. Se algo é tão bom quanto Blade Runner, porque tentar replicar? É como cavar a própria cova!»


Ai, ai Hauer...

Uma pessoa admira o trabalho de um ator e depois este sai-se com pérolas destas...
Como se o mundo do cinema não estivesse repleto de sequelas e prequelas. Como se hoje até não fossem os filmes originais já feitos visando esse propósito. 

Nem parece que o ator fez parte deste filme revolucionário, que estava à frente do seu tempo...

Porque não Blade Runner?
Se O Tubarão teve tantas sequelas... e por pior que fossem nenhuma retirou ao original a qualidade que tem, nem os fãs diminuíram ou deixaram de gostar tanto do filme. Então, pergunto eu, porque não uma sequela??
Será porque ele não participa nela? Sempre tive imensa curiosidade sobre o que acontece depois de Deckard (Harrison Ford) «fugir» com a amada «réplica», Rachel, por aquela estrada entre montanhas. Uma mulher cuja data de falecimento tanto podia ser para breve, quanto não. A escolha que ambos fizeram... o que aconteceu para além disso?


Não recordo que outro filme clássico podia ter tido mais razões para uma sequela ou para ser re-contado. Talvez seja o filme que mais curiosidade despertou ao chegar ao fim. Faz sentido que o explorem. Na realidade só não fez sentido terem esperado 35 anos para o fazer!!

Dizem os que já viram, que o novo filme é maravilhoso.
Uma obra prima.

Decerto que vale a pena dar uma espreitadela :) 

Quem o conhece?

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Afogada num mar de smartphones


Ando a ler sobre smartphones porque estou a conjecturar adquirir um «melhorzinho», já que o que sempre gostei de fazer desde pequena quando nada disto existia, era gravar vídeos e tirar fotos. 


Mas cada vez que vou pesquisar sobre um qualquer modelo, sinto-me a afogar!
Afogar em dados e mais dados, que não me fazem decidir nem por A, nem por B, nem por C, nem pelo A edge, B egde, A4, A5, A5x....



SOCORRO!!!


Porque é que dificultam tanto as coisas??



Tive o primeiro smartphone no Natal de 2014. Ainda é esse o telemóvel que tenho. Foi dos mais baratos e não tem grande capacidade de armazenamento interno (apenas 500mb que é «todo» consumido pelas aplicações básicas). A câmara é uma piada. Mas é o que me tem servido até hoje.

Por isso estou a pensar investir numa máquina superior. Para ter boas fotografias, com bom contraste, cor e definição, sem ter de recorrer a um programa de melhoramento de imagem.  O mesmo para os vídeos.


A questão é que já pesquisei talvez uns 30 smartphones e não consigo decidir nada. Ora o sistema operativo X é melhor que Y, ora a câmera é dual mas não é top, ora as cores são estranhas, ora é «tudo de bom» mas existe um «efeito gelatina», e depois existe a questão do preço - que aqui nem coloquei como um problema. Vou até onde achar que mereço ir, desde que obtenha o que pretendo. 

O problema é mesmo conseguir entender, dentro do que existe, qual aparelho oferece as melhores condições para o que pretendo! Cada vez que vou pesquisar são todos bons, todos com variados preços bem dispares.  Sinto-me perdida. Por mim estava decidido: comprava todos, usava-os e depois tomava a minha decisão! Mas não é assim que pode ser...


Aderi a canais do facebook e do youtube de pessoas que só fazem críticas a lançamentos de equipamentos como smartphones, incluindo um tipo chamado Tiago que faz testes como eu gosto: com vídeos e fotografias, em simultâneo, comparando dois produtos distintos. Mas quando pensei que tal recurso podia ajudar, senti-me novamente a afundar num mar de informação.... Porque se entre A e B gosto de A, entre A e C já não tenho a certeza. Juntando D, F, G e o novo A versão X, afundo de vez.

E neste mar de excesso de informação, pouco se consegue decidir.



quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Eu escrevo, que mal tem??


Eu sou de comunicar pela escrita. 
Nesta casa já me assumi como uma «escritora» de bilhetes.
Cada vez que precisei comunicar algo aos restantes moradores da casa, como é raro nos vermos, principalmente todos de uma vez, é comum escrever uma nota e deixar na cozinha.

Foi assim desde o início.

Por qualquer coisa que pretendia saber ou comunicar eu escrevia um (por vezes longo) bilhete e afixava na porta do frigorífico.


Foi o que fiz quando precisei avisar que acabou-se a luz e precisávamos colocar dinheiro. Foi o que fiz quando em Fevereiro me ausentei por uma semana - deixei bilhetinho a avisar que ia estar ausente. Foi o que fiz quando desejei FELIZ NATAL a todos, em Dezembro: escrevi email, enviei cartão postal, decorei a casa... Escrevi também bilhetinhos para qualquer coisa: principalmente para disponibilizar comida que de outro modo seria desperdiçada. Um bolo-rei, três pão em baguete, chocolate, iogurte, donuts, legumes e frutas congeladas, café acabado de moer, cerejas acabadas de colher...

ENFIM.

Eu escrevo bilhetes no intuito de comunicar. Não vejo nada de mais nisso. Até já deixei bilhete escrito quando não percebi porquê a máquina de lavar novinha não estava a ligar. E escrevi bilhete quando nos atrasamos nas limpezas da casa e pedi para apanharmos o ritmo porque vinha aí um novo inquilino. 
Há momentos porém, surpreendi-me com um pedaço de conversa que me pareceu escutar. Acontece que ontem, quando num raro momento em que me alimento nesta casa, fui até à cozinha preparar uma salada para comer, fi-lo em frente ao sítio onde há uma semana colocaram o comprovativo em papel de carregamento da eletricidade e gás. Já nem me lembrava disso. Ora, o «novo» inquilino às tantas entrou na cozinha (o que faz amiúde quando escuta pessoas lá) e às tantas ao ver o papel pergunto-lhe se já haviam dito à penúltima sobre o carregamento. É que ela não estava quando precisamos fazer o depósito, por a eletricidade ter chegado ao fim. Estava apenas a 50 centimos de ser cortada! O que significa que ela não entrou com a sua parte. Na altura os dois começaram logo a dizer que depois se pediria a parte dela quando chegasse. Só que ela já chegou faz uns dias e eu ainda não a vi. Já a ouvi, em conversa com ambos os dois. E por isso perguntei ao primeiro que me apareceu à frente se já haviam falado com a penúltima. 

Vai ele, que até foi o que meteu mais entraves e sugeriu que pagássemos menos que o habitual e a seguir cobrássemos pessoalmente 10 libras da penúltima pela parte que lhe competia, responde que «não quer meter-se nisso» e que «deixava para nós» por «não gostar dessas coisas». Ao que eu respondo »mas eu também não gosto!». No sentido de que ninguém gosta de cobrar dinheiro de outra pessoa... Ele sugere que se diga ao outro inquilino - o que está aqui há mais tempo, para o fazer. O que eu não entendo bem... porque não vi necessidade de «designar» uma pessoa em particular para a simples tarefa de dizer a um residente para dar a sua parte. Não é algo extraordinário. É de se esperar ter de se pagar contas, pelo que é uma comunicação esperada. 

Mas não pensei mais nisso e fui à «minha vidinha».
Vai daí decido ir às compras e ao descer para a cozinha, vejo o papel e lembro de deixar um bilhete. A verdade é que lembrei que ainda não sei fazer o carregamento para se ter eletricidade. E por esse motivo quando percebi que apenas se tinha 0.50 centimos, e estava sozinha na casa, pensei em ir imediatamente carregar algum só recorrendo a dinheiro meu. Mas como? Se ninguém me mostrou até hoje (não por falta de o pedir) como se faz??

Corremos o risco de ficar às escuras só porque apenas uma pessoa nesta casa «guarda o segredo» de como se faz o top-up (carregamento) das contas a pagar. Ocorreu-me então que se a penúltima desse a sua parte, como estou no meu dia de folga, era capaz de ser esta a tão aguardada oportunidade para finalmente saber como se faz o top-up. E essa simples e rápida lembrança fez-me escrever um simples e simpático bilhetinho.  


VAI QUE HÁ MOMENTOS oiço o mais novo inquilino abordar o mais velho e só escuto o seguinte: "é para deixar as coisas claras"... "não fui eu...." E o outro responde: "não faz mal, ela não estava em casa. O que importa é que temos eletricidade".

Lol.
Não é preciso muita inteligência para fazer a ligação do raciocínio. O «mais novo», com receio de o interpretarem na sua verdadeira natureza (na realidade está preocupado mas não quer passar essa imagem) tratou de «descartar-se» de qualquer autoria pela presença do bilhetinho.

Como se o bilhete tivesse algum conteúdo ilícito, ofensivo. 
Atribuindo ao mesmo essa conotação!!

E quem o escreveu? Eu...
A quem estava ele então a «passar a responsabilidade» desse «gesto ofensivo»?
A mim.

Fez-me sentir uma pessoa vil por estar a lembrar a uma pessoa que na sua ausência foi preciso pagar as contas da luz e gás! 


Não achei bem.
Não gostei mesmo nada.


(PS: sobre o novo inquilino já estive para vir aqui fazer uma actualização. Mas adiei por preferir dar destaque a outros temas que não estes domésticos. Por isso está em falta uma «actualização» e contextualização. Que agora é necessária para contextualizar o que por aí poder vir).